• COBERTURAS


      26/09/2012 | Gênese
      Local: Flôr com Pimenta
      Cidade: Campinas / SP
      Cobertura por: Augusto Barretto

      Coletiva para apresentação de pesquisa do Gênese (Grupo de Estudos e Negócios dos Setores Empresariais), com informações sobre os principais desafios que os empreendedores da região enfrentam ao iniciar um novo negócio e o que esperam dos próximos prefeitos para diminuir os problemas.

      Desafios do empreendedor – Estudo Gênese

      Resumo

      O Gênese realizou uma pesquisa com os empreendedores da região metropolitana de Campinas abordando três assuntos chaves: o que esperam do próximo prefeito, desafios na abertura de empresa e como estes veem as entidades de classe. Por meio destes três temas foi possível entender um pouco mais sobre o perfil dos empresários da região e sobre como estes iniciaram seus negócios. Também foi importante para conhecer o grau de interesse que eles possuem nas entidades de classe e o quão satisfeitos estão com os serviços prestados por elas. 

      Para coletar as informações o grupo construiu um formulário com nove questões sobre os temas listados anteriormente. São elas: 

      1) Qual segmento pertence o seu negócio?

      2) A quanto tempo exerce a atividade empresarial?

      3) Qual foi impacto da burocracia no momento em que abriu seu negócio?

      4) Qual a fonte de capital para o início do negócio?

      5) Você procurou alguma entidade empresarial para apoio ou orientação?

      6) Por que participa de entidades empresariais ou associações de classe?

      7) Como empresário o que você mais espera dos próximos prefeitos?

       

      Perfil dos respondentes (perguntas 1 e 2)

      O tipo dos negócios dos respondentes. A maioria das classificações

      empresariais coloca o setor de Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC) como serviços, porém, como Campinas trata-se de um polo de TIC a equipe optou por destacá-lo das empresas de serviços.

       

       

      Indústria 8,1%

      Comércio 5,4%

      Serviços 43,2%

      Serviços TIC 43,2%

       

      A pesquisa foi respondida  por  empresários  de diferentes tempos  de  atividades,  desde aqueles que abriram a empresa a menos de um ano até os que estão há mais de dez anos no  mercado.  O  percentual  dos  respondentes,  segundo  o  tempo transcorrido desde a fundação da empresa.

       

       

      Menos que 1 ano 5,4%

      1 a 3 anos 27,0%

      3 a 5 anos 16,2%

      5 a 10 anos 21,6%

      Mais que 10 anos 29,7%

       

       

      Desafios para o início do negócio

      Nível de burocracia (pergunta 3)

      Para entender quais os desafios que o empreendedor enfrentou ao iniciar seu negócio, o Gênese perguntou qual a dificuldade, em termos de burocracia e quais as fontes de capital a que este empresário recorreu. Com estas questões foi possível também, verificar se houve alguma mudança significativa, sob a ótica do empreendedor, no peso da burocracia na hora de abrir uma empresa,  comparando a nota atribuída pelos empresários há mais tempo com a atribuída a empresários há menos tempo.

      A nota atribuída pelos empresários para o peso da burocracia na hora de se abrir uma empresa.

       

      Impacto (1 menor, 5 maior)

      1 8,0%

      2 18,0%

      3 30,0%

      4 22,0%

      5 22,0%

       

      É possível verificar que a burocracia para abrir uma empresa, ainda é algo que incomoda os empreendedores. Menos de 20% dos empresários classificou o impacto causado pela burocracia como baixo, sendo que a maioria o classificou como médio. 

      Para avaliar se houve melhora nos últimos dez anos, cruzaram-se as notas dadas pelos empresários para a burocracia com o tempo de fundação de suas empresas. O objetivo do cruzamento foi verificar se os empresários mais recentes dariam notas melhores do que os

      empresários mais antigos, porém, não foi este o resultado obtido. Identificamos que, apesar das  mudanças  realizadas  pelo  poder  público  nos  últimos  dez  anos,  nada  mudou  na percepção do empresariado.

       

      Fontes de financiamento (pergunta 4)

      Outro assunto em pauta atualmente é a questão da fonte de financiamento. Quais são as fontes do financiamento que o empresário acessa para iniciar seus negócios? Por meio da pesquisa foi possível verificar que a fonte mais acessada ainda é o próprio “bolso”. É de suas economias que sai o capital inicial para começar o negócio. O resultado da pesquisa de fontes de financiamento pode ser observado:

      Recursos próprios 80,0%

      Familiares e Amigos 10,0%

      Não utilizei recursos 2,0%

      Programas governamentais 2,0%

      Próprios, familiares e amigos 2,0%

      Próprios e financiamento bancário 2,0%

      Próprios e programas governamentais 2,0%

       

      Como mencionado anteriormente, a utilização dos recursos próprios correspondeu a quase 80% das fontes citadas pelos empresários, seguida pelos familiares e amigos com menos de  10%.  Todas  as  outras  fontes  somadas,  não  alcançaram  10%,  sendo,  portanto,

      desprezíveis. Apesar de toda divulgação na mídia as fontes de fomento governamental e de investidores anjos ainda são, praticamente, inexistentes.

       

       

      Perguntados  se  já  procuraram  alguma  entidade  de  classe,  67,6%  dos  pesquisadosresponderam que não. Este número mostra o quanto as entidades de classeprecisam atender às expectativas do seu público. 

       

      A pesquisa  buscou  levantar  também  quais  os  motivos  que  levaram  os  empresários  a procurar as entidades. 

      Entre os principais motivos, três se destacam: relacionamento, fonte de informações e geração de negócios. Para aumentar o nível de satisfação do empresariado, as entidades deveriam implantar ações de melhorias, com o objetivo de incrementar esses indicadores relacionados, trazendo mais informações e gerando mais negócios para o associado.

       

      O que os empresários esperam do próximo prefeito (perg. 7)

      A última parte da pesquisa foi dedicada a entender o que os empresários esperam do próximo  prefeito.  Nesta  pergunta,  foram solicitadas 2 respostas para cada pesquisado. 

      Ao  analisar é  possível  verificar  que  o  maior  anseio  dos  empresários  é  a existência de uma equipe de governo com maior qualificação técnica, pois é ela a chave para projetos de simplificação tributária, para dar agilidade nos processos administrativos,

      melhorar a transparência administrativa e garantir maior segurança jurídica. 

      Os  empresários  enxergam  uma  equipe  qualificada  como  o  primeiro  passo  para  uma mudança que resulte em melhorias.  




  • VIP IN TOUCH

  • CONTACT

  • Revista Vip Virtual

  •